Superagüi - uma beleza além dos olhos



Do ICMBio: O Parque Nacional do Superagui está localizado no litoral norte do estado do Paraná, no município de Guaraqueçaba. O Parque foi criado em 1989 e ampliado em 1997, passando a ter 33.988,00 ha, abrangendo outras áreas insulares e também uma área continental, o Vale do Rio dos Patos. Isto ocorreu em função da presença de aves marinhas na Praia Deserta e da ampliação da área de ocorrência do mico-leão-da-cara-preta, primata descoberto em 1990 e endêmico da área. Com essa ampliação, outras comunidades, além da Colônia do Superagüi foram incluídas dentro dos limites do Parque: Barbados, Canudal, Vila Fátima, Ararapira, Barra do Ararapira, Rio dos Patos e Abacateiro, como também famílias isoladas da Praia Deserta.

No Parque podem ser encontradas espécies ameaçadas de extinção, como o mico-leão-da-cara-preta (Leontopithecus caissara), papagaio-da-cara-roxa ou chauá (Amazona brasiliensis), suçuarana (Felis concolor) e bugio (Alouatta fusca). A área é considerada Sítio do Patrimônio Natural (UNESCO,1999), Reserva da Biosfera (UNESCO, 1991) e Patrimônio Natural e Histórico do Paraná (Paraná, 1970).

O reconhecimento da ilha de Superagüi como patrimônio natural e histórico não é recente. Já em 1970, Superagüi foi inscrita sob o n° 27 no Livro de Tombo Arqueológico, Etnográfico e Paisagístico da Divisão do Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural do Paraná.




As populações existentes na área do Parque e de seu entorno são chamadas de caiçaras, resultado da miscigenação entre índios, negros, colonos portugueses. A origem da palavra “caiçara” remonta a uma técnica usada para atrair o pescado, podendo ser considerada um método de maricultura extensiva. A partir de 2010, ocorreu uma movimentação local da população que prefere ser identificada enquanto “pescadores artesanais”.

PRINCIPAIS ATRATIVOS

Praia Deserta da Ilha do Superagüi e Comunidade da Barra do Superagui: possui 38 km de praias virgens, podendo ser visitada a pé ou de bicicleta. Na comunidade durante as férias e feriados acontecem apresentações de fandango no Bar Akdov;




Trilha da Praia Deserta da Ilha do Superagüi: com duração de 1 hora e 30 minutos e de dificuldade moderada. Requer cuidado, pois algumas passarelas estão destruídas, obrigando a passagem por dentro dos córregos.

Quando chove o caminho pode ficar alagado. Recomenda-se o uso de repelente de insetos e roupas claras. Possibilidade de observação da vegetação (restinga baixa e alta, bromélias e orquídeas) e ocasionalmente do mico-leão-da-cara-preta. Ressalta-se que é proibido alimentar os animais;

Baía do rio das Peças, Praia Deserta da Ilha das Peças e Vila das Peças: ponto de concentração de botos, principalmente mães com filhotes, praia virgem com 7 km de extensão com vista para a Ilha do Mel;

Ilhas Pinheiro e Pinheirinho: a grande atração da Ilha do Pinheiro são as revoadas dos bandos do raro papagaio-da-cara-roxa ao entardecer;

Roteiro Lagamar: Observar paisagem, canal do Varadouro, localidade do Abacateiro que é um museu vivo da Cultura do Fandango, Ararapira Velha (proibido desembarcar e acampar no local em razão de danos ao patrimônio histórico), igreja antiga - colonização, Barra do Ararapira e tradicional uso da folha da cataia em aguardente.

Como Chegar

Por Paranaguá ou Guaraqueçaba. Existem duas entradas principais para o Parque Nacional do Superagüi, uma pela Comunidade da Barra do Superagüi e outra pela Comunidade de Vila das Peças, de acordo com o objetivo da viagem.

Acesso Comunidade Barra do Superagüi

Via Paranaguá

Local de partida: trapiche das ilhas na Rua da Praia, também conhecida por Rua General
Carneiro. Atrás do Restaurante Danubio Azul.
Dias: de segunda-feira a sabado. É recomendável, especialmente no inverno, informar-se com os barqueiros Cesar ((41)-34827131), Osvaldo ((41)-34827152) e Jacó ((41)-34827150), com antecedência.
Horário partida trecho Paranaguá-Barra do Superagüi: 14h30
Horário retorno trecho Barra do Superagüi-Paranaguá: 07h00
Domingo: apenas trecho Barra do Superagüi-Paranaguá: 14h00
Duração da viagem: 2:30 a 3:30 horas de acordo com a rota e com as condições
climáticas e de maré.
Observação 1: no trecho de aproximação com a Ilha das Peças o mar costuma estar agitado.
Observação 2: as embarcações são simples.

Via Guaraqueçaba (roteiro mais longo)

É importante ressaltar que as condições da estrada não pavimentada até Guaraqueçaba dificultam muito este roteiro. Muitas vezes é preferível pegar o barco trecho Paranaguá-Guaraqueçaba, que é diário nos seguintes horários:
Horários partida trecho Paranaguá-Guaraqueçaba: 09h00 e 14h00
Horários retorno trecho Paranaguá-Guaraqueçaba: 07h00 e 14h00
Duração da viagem: 2:30 a 3:00 h
A partir de Guaraqueçaba é preciso pegar outro barco para chegar a Comunidade da Barra do Superagui.

Dias: toda segunda, quarta e sexta-feira.
Horário partida trecho Guaraqueçaba-Barra do Superagüi: 14h00
Horário retorno trecho Barra do Superagüi-Guaraqueçaba: 07h00
Duração da viagem: 2:30 a 3:00 h
Observação: as embarcações são de pequeno porte e rústicas.
Acesso Comunidade Vila das Peças

Via Paranaguá

Local de partida: trapiche das ilhas na Rua da Praia, também conhecida por Rua General Carneiro.
Dias: frequencia dos barcos é diária.
Horário partida trecho Paranaguá-Vila das Peças: 13h00
Horário retorno trecho Vila das Peças-Paranaguá: 07h00
Existe também uma outra linha voltada para o turista na sexta-feira, sábado e domingo.
Horário partida trecho Paranaguá-Vila das Peças: 09h30
Horário retorno trecho Vila das Peças-Paranaguá: 16h30
Duração da viagem: Duas horas de acordo com a rota e com as condições climáticas e de maré.
Observação: existem embarcações que partem de Guaraqueçaba para Superagüi, no entanto este roteiro é mais longo. Pode ser uma opção quando deseja-se conhecer a cidade de Guaraqueçaba.



Fonte:  ICMBio
Fotos: André Pimentel
Compartilhar Google Plus

Nosso Litoral

Nosso litoral é um blog para divulgar as belezas do litoral paranaense, assim como os costumes, gastronomias, pontos turísticos, hotéis, pousadas, restaurantes, contos, lendas, histórias e muito mais!
    E ai, o que achou?
    Comente com o Facebook