Mapeamento com alta precisão ajuda na prevenção de desastres no Litoral

A floresta e a grande quantidade de nuvens na Serra do Mar e em alguns pontos do Litoral paranaense sempre foram obstáculos para o mapeamento aéreo da região. Para furar esses bloqueios e conseguir alta precisão de imagens, o Governo do Paraná passou a utilizar um radar de precisão, capaz de identificar rios, montanhas e solo mesmo através de nuvens e da vegetação densa.

Durante dez dias, uma aeronave com sensor desenvolvido pela empresa Bradar, vencedora da licitação, fará sobrevoos na área indicada pelo Governo do Estado e captará as imagens. O radar possibilita o mapeamento de locais mesmo com nuvens ou chuva, sem comprometer a qualidade das imagens.

“Nosso foco é aprofundar os estudos na região afetada pelos deslizamentos de 2011, onde é necessário um tipo de mapeamento mais complexo por conta da área geográfica”, disse o diretor-presidente do Instituto de Terras, Cartografia e Geociências (ITCG), Amilcar Cabral.

O mapeamento ultrapassará a barreira das copas das árvores da floresta, fornecendo informações do terreno, como as características de uso do solo, áreas urbanas, muros e cercas, áreas alagadas, estradas não pavimentadas e outros dados importantes para análises técnicas.

O mapeamento mostrará cada centímetro de uma área de aproximadamente 2 mil km², equivalente a 213 mil campos de futebol, que abrange Matinhos, Pontal do Paraná, Guaratuba, Paranaguá, até a Ilha do Mel, Antonina e Morretes.

O trabalho faz parte do Projeto Multissetorial de Fortalecimento da Gestão de Riscos e Desastres, coordenado pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos.

A empresa vencedora da licitação entregará todo o material em seis meses e os dados serão compartilhados entre as várias áreas do governo. “O produto final contará com muitos dados para uso das autarquias vinculadas à Secretaria de Estado do Meio Ambiente, como o ITCG, o Instituto Ambiental do Paraná, a Mineropar”, disse a diretora de Geociências do ITCG, Gislene Lessa.

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA - Uma das aplicações em que o produto final poderá ser usado é na regularização de terras, carro-chefe do ITCG. “O mapeamento pode ser usado na localização de divisas, por exemplo, auxiliando na regularização de imóveis daquela área” explica Gislene.

Há também a possibilidade de usar o mapeamento no planejamento socioeconômico e ambiental do Litoral.

AEN.
Foto Divulgação
Compartilhar Google Plus

Nosso Litoral

Nosso litoral é um blog para divulgar as belezas do litoral paranaense, assim como os costumes, gastronomias, pontos turísticos, hotéis, pousadas, restaurantes, contos, lendas, histórias e muito mais!
    E ai, o que achou?
    Comente com o Facebook